O cão e o menino

Oi, sou o Rex. Existem muitos momentos que marcam nossa vida. Quando fui resgatado certamente foi um deles. Mas antes do Paraíso... Teve um dia que me marcou profundamente...

Sempre estava em busca de comida... Um dia desses que a gente nunca esquece, encontrei com um menino curioso. Ele era pequeno, tão miúdo que quando sentava na cadeira do restaurante, seus pés ficavam suspensos, sem tocar o chão. Era diferente das outras crianças que já vi por aí. Ele comia um prato cheio de legumes e verduras com gosto. Sorria para cada garçom e dava tchau para os clientes que passavam em direção à porta de saída.

De início, eu observava a comida nas bandejas, mas quando percebi que ele estava me olhando, retribuí o gesto e me aproximei da porta. Ia entrar, mas lembrei que não podia. Sempre que tentava entrar em um lugar com muitos humanos, buscando comida ou abrigo, era enxotado e até agredido. Então ficamos ali, trocando olhares a distância.

Ele era independente; apesar do tamanho, levantou num pulo, nem avisou pra mãe e veio em minha direção. Fiquei um pouco com medo; pensei em fugir... Muitos humanos já se aproximaram de mim só pra me maltratar. Mas ele tinha algo diferente no olhar que me fez ficar. Ficamos face a face. Ele segurou gentilmente, com aquelas duas mãozinhas pequenas, meu rostinho e beijou meu focinho. Tirou do bolso um pedaço de carne e estendeu em minha direção.

Minha barriguinha denunciou a fome. Um grunhido surgiu involuntário quando vi aquele cheiroso pedaço de carne. Olhei pro menino. Olhei pra carne. Olhei pro menino... Peguei a oferta de comida depois de hesitar. Ainda trocamos alguns carinhos e cafunés antes que a mãe dele viesse e o puxasse pelo braço.

Ele foi sendo arrastado para longe de mim. Ainda tentei segui-lo. Mas eles entraram em um carro e foram embora. Já sentindo saudade, vi o carro virar a esquina. Nunca mais vi o pequeno, mas também nunca o esqueci.