O gatinho no muro

Eu vim das ruas. Já nasci sozinho no mundo. É triste não ter uma família e nem pessoas boas para cuidar de você... E foi assim que cresci, me virando do jeito que dava. Por sorte, nem tudo é maldade nas ruas. E apesar de muita gente não gostar de gatinhos, eu tive a felicidade de conhecer uma pessoa que gostava.

Nosso encontro foi ao acaso. Eu estava andando pela calçada a noite, buscando algum restinho de comida para forrar o estômago quando a vi na janela de uma casinha modesta, mas muito aconchegante. Ela me chamou e eu até olhei para os lados duas vezes pra ter certeza que era comigo. Ela me chamou outra vez... Sempre fui um gatinho curioso aí resolvi ver o que ela queria.

Escalei o muro, subi pela marquise e cheguei bem pertinho da janela. Quando me aproximei, notei que ela tinha um petisco na mão. Meus olhinhos começaram a brilhar! Eu fui de mansinho pra pegar o presente. Depois que acabei de comer levei um susto! A moça começou a espirrar muito. Me afastei. Só quando estava perto do muro que ela parou de espirrar.

De longe, ela sorriu pra mim e disse que estava muito triste por não poder ter um gatinho como eu. Fiquei triste também por não podermos ser amigos, mas vi no olhar dela que era uma pessoa muito boa. Nunca vou esquecer daquele dia!

Hoje estou no Paraíso prontinho para ser adotado.